Apnéia do Sono: um inimigo silencioso… – Prof. Dr. Paulo Afonso Cunali

Seção Saúde   •   Data 02/08/2012   •   Nenhum comentário

Normalmente as pessoas que roncam incomodam os outros. Mas roncar alto pode ser um sinal de que algo está seriamente errado com a respiração durante o sono, não sendo mais um motivo para gozação e piadas. Em Curitiba estima-se que cerca de 640.000 pessoas tenha algum tipo de problema respiratório durante o sono. Dessas, aproximadamente 150.000 sofrem com paradas respiratórias durante o sono, o que caracteriza a apneia obstrutiva do sono.
RISCOS COMPROVADOS: Os pacientes com apneia do sono, além de roncarem muito, têm maiores riscos para desenvolverem problemas cardíacos e diabetes, e se envolverem mais com acidentes em geral (principalmente de trânsito). Esses pacientes queixam-se mais de dores em geral, depressão/ansiedade, desinteresse sexual, apatia, irritabilidade, e sonolência excessiva diurna. O paciente com apneia obstrutiva do sono tem baixa qualidade de vida.
FIQUE ATENTO / SINTOMAS DE AVISO: Nos adultos o ronco que é bastante alto, com pausas longas da respiração, seguidas de forte “engasgar” em busca de ar. Crianças com apneia do sono podem roncar, chiar, ter dificuldades para respirar e dormem intermitentemente. Crianças mais velhas que têm apneia do sono podem parecer lentas e ter baixo desempenho na escola, sendo, as vezes, rotuladas de “preguiçosas”. O diagnóstico conclusivo é feito pelo exame de polissonografia em laboratório de sono especializado, onde o paciente dorme monitorado para ter seu padrão de sono avaliado.
TRATAMENTOS ESPECÍFICOS:
Com aparelhos intrabucais: são aparelhos que devem ser feitos por Dentista com Certificação em Medicina do Sono. Esse aparelho, colocado pelo paciente antes de dormir, ao se fixar sobre os dentes posiciona a mandíbula mais para frente, permitindo um aumento das vias aéreas e proporcionando uma respiração adequada e sem ronco.
– Com um aparelho chamado CPAP: uma máscara colocada no nariz do paciente ligada um compressor força a entrada do ar ambiente para dentro do nariz e da via aérea. Essa pressão mantém as via aéreas abertas permitindo que a pessoa respire normalmente.
– Com cirurgias: são procedimentos que visam corrigir anormalidades que comprometem a respiração durante o sono, como, por exemplo, amígdalas ou adenóides aumentadas, pólipos nasais, desvio do septo nasal e má formações dentofaciais.

* Prof. Dr. Paulo Afonso Cunali – Cirurgião Dentista / Professor da UFPr e Doutor em Medicina e Biologia do Sono pela UNIFESP

Comentários

Os comentários estão desativados.